Elo Vital começa a reforma da casa de triagem

Reforma da casaO Instituto Elo Vital começou hoje (22) a reforma da casa de recuperação para dependentes químicos. Segundo o presidente da ONG, Francisco Fortkamp, a reforma desta casa era um sonho que está virando realidade. “O objetivo é além de apresentar o esporte a esses dependentes, é colocar a disposição o tratamento psicológico e também espiritual”, disse.

Para concluir a reforma, a ONG pede o apoio à comunidade para a doação de 3 portas de madeira interna, 1 porta de madeira externa, vidro, interruptor, tomada e fios.

Além destes materiais, se alguém tiver disposição para ajudar com mão de obra, também será bem-vindo.

Se você tem interesse em estar participando desta ação, entre em contato com um dos responsáveis pela reforma da casa:

Francisco: (47) 9633-9732
Valdeci:     (47) 9117-1818

Assessoria de Imprensa do Instituto Elo Vital

Advertisements

O Esporte como tratamento para dependente químico

Child Holding TrophyÉ preciso compreender que o esporte estimula o trabalho em equipe, respeito às regras, respeito aos limites do corpo humano, diversão, lazer, benefícios à saúde, além de promover o bem estar físico e mental.

Podemos observar certas características entre os dependes químicos, tais como baixa auto-estima, as dificuldades de relacionamento e a resistência para seguir normas e regras. Todas estas características negativas presentes na vida do dependente químico pode ser superada através do esporte.

Na luta, sempre existe a questão do ganhar e do perder, desta forma, o Instituto Elo Vital também trabalha com essas pessoas  a questão da baixa tolerância à frustração.

O esporte influencia diretamente no tratamento de uma pessoa dependente. O sistema utilizado pelo Instituto Elo Vital funciona como um estímulo que gera a resposta e reflexão criando na mente dessas pessoas um novo conceito, novo procedimento e uma nova atitude. A pessoa que usa o esporte como tratamento, ela é estimulada a buscar novas alternativas enquanto luta Jiu-Jitsú. Deste modo, espera-se que esta pessoa se aproprie das mudanças propiciadas pela reflexão feita durante a luta e assim consiga ampliar para outras esferas da vida.

Treino de Jiu-Jitsu do Instituto Elo Vital
Assessoria de Imprensa do Instituto Elo Vital

The Elo Vital – English Version

The Elo Vital is a non-governmental institute, created with the objective of assisting poor people. We work directly with the prevention and recovery of drug addicts; environmental preservation and promotion of the sport.

We have some projects and the goal is we set up a home screening to receive these addicts and family dependents. In the house we have psychologists who will forward the adict and the family in support groups and also for hospitalization. At all stages of the monitoring there will be spiritual support to these people.

Our intention is to bring God’s kingdom to the excluded and we need your help whether as a gift or prayer for us to help those people who want to get off drugs.

God Bless you.

Instituto Elo Vital tem apoio da Secretaria da Saúde de Blumenau

Reunião do Instituto Elo Vital com membros da Secretária da Saúde de Blumenau

Reunião do Instituto Elo Vital com membros da Secretária da Saúde de Blumenau

O presidente do Instituto Elo Vital, Francisco Fortkamp e o colaborador Marcos Wolgher se reuniram nesta segunda-feira (10), com a Sra. Maria Regina e demais membros da Secretaria da Saúde da cidade de Blumenau – SC.

O que pautou a reunião desta tarde foi a proposta de parceria entre a secretaria e o instituto na realização do projeto de levar atendimento odontológico à Comunidade Eça de Queiroz e adjacências, no bairro Água Verde.

A associação de moradores cedeu um espaço para o consultório, anexo ao ESF – Evanilde Bernardi. O Instituto Elo Vital forneceu todos os equipamentos, assim como a infra-estrutura necessária para dar início ao atendimento.

De acordo com o que foi exposto em reunião com a secretária Maria Regina, a secretaria se dispõe em ceder um profissional durante o dia e materiais para o uso dos profissionais.  Um dentista voluntário da entidade ficará responsável pelo atendimento no período noturno.

O Instituto Elo Vital agradece ao Vereador Adriano Pereira pelo intermédio feito entre a ONG e a Secretária da Saúde de Blumenau. 

Assessoria de Imprensa do Instituto Elo Vital

Segundo pesquisa, 28 milhões têm algum parente dependente químico

Levantamento feito pela Unifesp mapeou os usuários em reabilitação.
8 milhões de brasileiros são dependentes de maconha, álcool ou cocaína.

Ao menos 28 milhões de pessoas no Brasil têm algum familiar que é dependente químico, de acordo com o Levantamento Nacional de Famílias dos Dependentes Químicos (Lenad Família), feito pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e divulgado nesta terça-feira (3) na capital paulista.

É a maior pesquisa mundial sobre dependentes químicos, de acordo com Ronaldo Laranjeira, um dos coordenadores do estudo.

Entre 2012 e 2013, foram divulgados dados sobre consumo de maconha, cocaína e seus derivados, além da ingestão de bebidas alcoólicas por brasileiros. A partir desses resultados, os pesquisadores estimam que 5,7% dos brasileiros sejam dependentes de drogas, índice que representa mais de 8 milhões de pessoas.

Desta vez, o estudo tentou mapear quem são os usuários que estão em reabilitação e qual o perfil de suas famílias. A pesquisa também quis saber como elas são impactadas ao ter um ou mais integrantes usuários de drogas.

“Para cada dependente químico existem outras quatro pessoas afetadas”, disse Laranjeira.

A análise foi feita entre junho de 2012 e julho de 2013 com 3.142 famílias de dependentes químicos em tratamento. Foi feito um questionamento com 115 perguntas para famílias que participaram desse levantamento. O estudo foi feito em comunidades terapêuticas, clínicas de reabilitação, grupos de mútua ajuda, como Al-Alanon e a Pastoral da Sobriedade.

As famílias foram ouvidas em 23 capitais de todas as regiões do Brasil. Segundo a organização, até então não existia no país nenhum estudo de âmbito nacional focado nelas.

De acordo com o estudo a maioria dos pacientes em tratamento para dependência química eram homens, com idade entre 12 e 82 anos. Desses, 26% tinham ensino superior incompleto ou completo. A média de idade dos usuários de drogas é de 31,8 anos.

Perfil dos usuários em tratamento
A maioria dos pacientes em tratamento (73%) era poliusuária, ou seja, consumia mais de uma droga. Em 68% dos casos, quem passava por reabilitação era consumidor de maconha, combinada com outras substâncias. O tempo médio de uso das substâncias foi de 13 anos, mas a família percebe apenas 8,8 anos de uso, em média.

A partir da descoberta da família, o tempo médio para a busca de ajuda após o conhecimento do consumo de álcool e/ou drogas foi de três anos, sendo dois anos para usuários de cocaína e/ou crack e 7,3 anos entre os dependentes de álcool Os familiares relataram ter o conhecimento do consumo de drogas pelo paciente por um tempo médio de 9 anos.

Mais de um terço (44%) relatou ter descoberto o uso devido a mudanças no comportamento do paciente.

O Lenad apontou que 58% dos casos de internação foram pagos pelo próprio familiar e o impacto do tratamento afetou 45,4% dos entrevistados. Em 9% dos casos houve cobertura de algum tipo de convênio. O uso de hospitais públicos, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), foi citado por 6,5% das famílias de usuários em reabilitação.

Ainda segundo o estudo, 61,6% das famílias possuem outros familiares usuários de drogas. Desse total, 57,6% têm dependentes dentro do núcleo familiar. No entanto, os entrevistados desconsideram esse fator como de alto risco para uso de substâncias do paciente. Deste total, 46,8% acreditam que as más companhias influenciaram seu familiar ao uso de drogas. Já 26,1% culpam a baixa autoestima como responsável pela procura por entorpecentes.

Cocaína, maconha e álcool 
A Unifesp já divulgou outras três pesquisas relacionadas ao consumo de drogas no Brasil, uma relacionada ao consumo de cocaína e derivados, outra sobre maconha, e outra que analisou a ingestão de bebidas alcoólicas.

Em agosto de 2012, o Lenad divulgou que cerca de 1,5 milhão de adolescentes e adultos usam maconha diariamente no Brasil.

Em setembro de 2012, pesquisadores da universidade constataram que o Brasil era o segundo consumidor mundial de cocaína e derivados, atrás apenas dos Estados Unidos. De acordo com o levantamento, mais de 6 milhões de brasileiros já experimentaram cocaína ou derivados ao longo da vida. Desse montante, 2 milhões fumaram crack, óxi ou merla alguma vez.

Em abril deste ano, outro estudo apontou aumento de 20% na quantidade de pessoas que consomem álcool frequentemente. A pesquisa informou que 54% dos entrevistados alegaram consumir bebidas alcoólicas uma vez na semana ou mais – aumento proporcional de 20% em comparação ao Lenad de 2006.

O crescimento foi maior entre as mulheres: 39% das entrevistadas admitiam beber uma vez por semana ou mais (seis anos atrás este índice era de 29%). Outro dado importante mostrou que 27% dos homens que bebem com menos de 30 anos já se envolveram em brigas com agressão.

Fonte: G1

Elo Vital inaugura dois novos projetos

Na última quinta-feira (06), o Instituto Elo Vital inaugurou os projetos Dentista Amigo e Jiu-Jítsu Tribo de Davi na Comunidade Eça de Queiroz.  Estiveram presentes no evento os voluntários do entidade, moradores da comunidade, e autoridades locais como o vice-presidente Jovino Cardoso e os vereadores Adriano Pereira e Jefferson Forest.

O Instituto Elo Vital estará atendendo três vezes por semana na comunidade Eça de Queiroz.

segunda e quarta-feira a partir das 19h30 – Jiu-Jítsu
quinta-feira a partir das 19h30 – Dentista Amigo